Móveis inteligentes se transformam para economizar espaço na casa

por Olivia Caires | Fonte: ZAP Imóveis

Móveis que se transformam estão na moda. As casas e apartamentos novos estão encolhendo e este fator mostra a necessidade de itens que tenham mais de uma utilidade para otimizar o espaço.

Como muitos imóveis são pequenos, a engenheira e designer de interiores Ana Andrade diz acreditar que é necessário pensar de uma forma arquitetada para ocupar cada espaço da melhor maneira possível.

Há diversas opções de móveis inteligentes para ajudar a aproveitar o ambiente. “Na cozinha, é possível colocar uma bancada retrátil. Como é possível recolhê-la, pode-se fazer uma refeição rápida e então guardá-la”, afirma a designer.

No cômodo onde se prepara comida, um armário com rodinhas pode sair debaixo de uma bancada. “Levando este móvel para o centro da cozinha, ele pode virar uma mesa de apoio”, orienta a profissional.

Uma pia giratória também é peça que faz muita diferença em uma cozinha minúscula. De um lado fica a tábua de corte, enquanto na outra fica o escorredor. Como ela é rotacional, o cozinheiro não precisa ficar circulando pela cozinha.

Algumas mesas de quatro lugares podem revelar espaço extra ao serem ampliadas. No dia a dia, ela pode ficar fechada e somente quando a visita chegar, o objeto pode ser ampliado.

Aqueles que gostam de jogos de cartas mas não têm espaço para colocar uma mesa própria para a diversão, existe uma alternativa. “Há opções de tampos removíveis, onde um lado fica para o carteado e o outro uma superfície lisa para outras finalidades”, diz Ana.

Na sala, bancos e mesas laterais podem ser transformados em uma peça que tem funcionalidade tanto para sentar como para apoio. “A superfície do móvel tem que ser reta e plana, para que, se um copo for colocado sobre ele, não caia”, afirma a especialista.

Uma cristaleira pode ficar fechada enquanto a visita não chega e então expandida quando os convidados estiverem na casa. “O móvel deixa de ser uma peça de decoração para virar um bar”, diz a designer.

De acordo com a engenheira, quartos de hóspedes têm sido abolidos dos imóveis. “Hoje em dia os apartamentos são bem menores, portanto as pessoas querem fazer do dormitório um espaço funcional, como um escritório, brinquedoteca e eventualmente um ambiente para uma visita dormir”, explica Ana. Portanto, um sofá que vire cama é uma alternativa para oferecer uma noite de sono.

“Os sofás retráteis atuais têm estética muito melhor do que os de antigamente”, opina a designer. Caso a visita decida passar a noite na casa em que é recepcionada, é só puxar o assento. “Não parece que é cama e é bem confortável, sem ocupar área específica no imóvel”, diz Ana.

Cuidados – Investir em uma mobília inteligente ajuda muito a aproveitar bem o espaço que se tem, mas é preciso cautela para o que parece um móvel útil não atrapalhe a rotina dos donos da casa.

“É importante avaliar qual móvel vai fazer a brincadeira do multifuncional. Se der mais trabalho do que praticidade, gera um problema ao invés de auxiliar”, alerta Ana.

Uma cama que entra no armário, por exemplo, é uma ótima solução para economizar espaço. No entanto, é uma alternativa ideal se o móvel for utilizado ocasionalmente, como um móvel apenas para as visitas dormirem. “Abrir e fechar a cama todos os dias trará a preocupação de onde colocar a colcha, etc…”, diz Ana.

Para a designer, ao escolher o móvel inteligente é importante visualizar se ele vai ser prático ao ponto de colocar em uso com frequência as duas funções que ele pode desenvolver.

Além da funcionalidade e estética, a preocupação também deve caminhar na direção da durabilidade do material. “Este tipo de móvel acaba não sendo tão econômico, então é preciso uma estrutura bem resistente. As mesas retráteis, por exemplo, fazem o movimento de abrir e fechar frequentemente, portanto precisam ser feitas com material de qualidade ”, ressalta a profissional.

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *